Estado de espirito de ALCINO CUNHA

05-07-2013 17:38

DITOSA PÁTRIA

(Estado de Espirito de ALCINO CUNHA

 

Pátria minha, desdita cara.

Esfrangalhada, por estes governos.

Estes pobres; imaginação rara.

São as Classes dominantes.

 

Pobres filhos da Nação.

Que vivem tal pesadelo.

Que sofrem a desilusão,

Da governação de tal camelo.

 

Vimos um mundo, destes tais.

Que nos iludem com ilusões.

Não vimos amor, nem pouco mais.

A estes príncipes das con fusões.

 

Estes  meninos da escola.

Fazem guerrinhas entre eles.

Este povo, vive de esmola.

Da esmola todos os meses.

 

Muitos destes meninos; são líricos.

Outros anafalbetos da vida.

E alguns, com pais ricos.

Nem sabem; o que custa a "puta" da vida.

 

Este povo, que já vive sem ordenado.

Passando fome e miséria.

Por acção de um governo desordenado.

Que nada Sabe, de uma governação séria.

 

Não podemos passar mais tempo em vão.

Como um filho que confia.

Temos que tomar o poder em mão.

E mandá-los, ver a Maria!

 

Desejo, que neste Reino de Camões.

Se erguem as bandeiras de esperança.

E com festas e comomerações.

Festejando o passado, já passado;

Queé apenas uma lembrança.

ALCINO CUNHA

05/07/2013

Parabéns de todos nós, pelos maravilhosos poemas que tens escrito ao longo de uma vida.

Um abraço